Apenas creia.

"não deixe que seus pensamentos, suas palavras, nem as suas ações contradigam aquilo que Deus diz a respeito de você..."

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Eu te amo.












 

Eu te amo



Eu te amo não por uma simples necessidade de amar e de querer.

Te amo porque esse amor que eu sinto nem eu mesmo sei explicar.

Eu te amo entre as veredas do meu dia, das minhas horas e de todos os meus instantes.

Te amo pela essência solar do que é amor em sua natureza pura.

Te amo por precisar viver. Te amo por aceitar a realidade constante das tuas mudanças.

Te amo pelo sorriso desmotivado, pelo cheiro sem jeito ainda que você me dá.

Te amo por ser cruel com meu egoísmo. E acabo de vez com minha solidão esquisita.

Te amo aqui, ali, te amo ontem, hoje e te amo lá na eternidade ou lá na minha velhice e você ainda estará com toda juventude.

Te amo sem pressa de provar. O amor que eu sinto você irá, cada dia que se passar, senti-lo sem eu ter o absurdo de prová-lo.

Te amo no choro, no sono, no dengo, no cuidado, na febre. Te amo por testemunhar  seus primeiros passos em minha direção.

Te amo pela promessa que fiz à vida. Que quando você chegasse, qualquer atitude minha seria mais por amor que por convicção.

Te amo no primeiro ano juntos. Por essa caminhada que nos espera. Te amo pela condição que o destino cravou em mim.

Te amo por ser pra você não apenas o seu primeiro amigo. Te amo porque me dedicarei a ser seu grande confidente fiel. Seu amor sem pátria. Sua pátria de compreensão.

Te amo na magnitude de gestos bobos.  Te amo numa descoberta constante, difusa e cada dia mais envolvente.

Te amo porque você é o reparo útil de minha rebeldia. Eu serei pra você o lugar-seguro de sua rebeldia que um dia vai me pegar de surpresa.

Te amo porque me ensinas. Faz-me melhor. Te amo porque o teu silencio hoje se transformará em um grande palco de "por quês".

Te amo. E quando puderes ler este amor aqui escrito, ele estará diferente. Bem maior e infinito.

Te amo assim bem no início da frase porque soa melhor... Se no futuro corrigires o meu erro de português, desculpe seu pai, filha. Mas mesmo assim...

Amo-te.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Cada um...










A casa, casar-se, uma vida.
Meu sonho, um ministério
Um cuidado, uma lição.
Um prazer, uma dor, uma oração.
Uma casa, um lar.
Um encanto e, de repente, desamor
Um fascínio, um certo calor.
Um sentido, faz sentido
Um sentimento, sentir, ouvir.
Um coração, uma canção.
Um momento, uma interrogação.
Um tempo, uma vida
Uma lição, despedida.
Um som, em silêncio.
Um tom; sorriso.
Uma dança, um charme.
Um figurino. Um paladar.
A onda, alma, o mar.
Um caderno, recado,
Um alerta, a palavra.
A regra, uma exceção.
Juízo; emoção.
A espera, a incerteza.
Ilusão, o impossível,
Um acaso, providência.
Uma estrada, um rio.

Uma tempestade, medo, paciência.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Espero um dia.










Foi por acaso. Sentou-se, acomodou-se e eu não vi.

Foi de repente, ali na minha frente, me causou um espanto. Apressada, minha inquietação serenou.

E na calma da noite, uma chuva fina, a atenção dividida e, a palavra abençoada refletia e me dava uma reflexão de dúvidas. Em meio às discussões, uma colocação me prende e me traz de volta pelos ecos da sua mente privilegiada.

Minha lucidez e carinho se renderam ao charme do desconhecido. Sua cor, seu charme, sua elegância de gestos. Meu erro. O meu pensamento saiu de mim e foi embora pra um lugar em que caberíamos nós dois.

Não me detive e na pressa dos meus passos busquei sua presença. De alguma forma queria perceber que poderias estar ao alcance dos olhos... Ou das mãos. Fiz pouco caso com o que é permitido e invadi certas privacidades de um objeto pessoal alheio.

Descubro suas pistas e apareço numa mensagem instantânea. Chego como quem chega sem hora marcada. Indesejado talvez, mas quem sabe causando uma surpresa fria. Ou friamente recebido por ser totalmente desconhecido. Sua educação e bom humor me salvaram.

Passam-se os dias e nas idas e vindas (sozinho) aos lugares mais distantes; convido e me pego dia após dia pensando... Lembrando, querendo, imaginando um lugar que a tire do seu “lugar-equilibrio.”

“ouço” as mais sinceras das verdades. Sou posto ao lugar-comum que não posso fugir de quem me compromete. Ou comprometo. Compromisso. Sou jogado de frente com a realidade que eu busco fugir. Admito. Deparo-me com “como eu queria q realmente eu fosse isso pra um alguém L 

A busca implacável esbarra na realidade dura. Quem busco quer ser encontrada. Mas quer encontrar-se num sonho de um reencontro.

Trocaria um ano inteiro de sorvete grátis!!!! Mas eu não tenho o valor devido para dar em troca.  Fica assim a doce lembrança no lugar do doce desejo.

Espero um dia...